quinta-feira, 3 de abril de 2014

María Corina Machado no Senado brasileiro: quanto desrespeito a uma mulher digna e valente!!!

Na quarta-feira 2 de abril, a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado brasileiro, promoveu uma audiência pública para supostamente debater a crise política na Venezuela e trouxe a deputada María Corina Machado para que ela pudesse relatar o que estava acontecendo em seu país. A decisão foi tomada no dia 28 de março, por iniciativa do presidente da comissão, Ricardo Ferraço do PMDB-ES. A  senadora do PCdoB, Vanessa Grazziotin não aceitou a idéia de se ouvir María Corina sem que também viesse alguém do governo. O senador pelo PSBD, o terrorista Aloysio Nunes, alegou que isso era uma desculpa para que María Corina não denunciasse o que estava ocorrendo DE FATO em seu país, mas que aceitava a proposta desde que não houvesse vândalos do PCdoB agredindo a deputada.

Grazziotin aborreceu-se com essa afirmação e houve um bate-boca entre os dois senadores, quando o senador Eduardo Suplicy, do PT, sugeriu trazer o deputado chavista Rodrigo Cabezas que finalmente foi trocado pela vice-presidente da Assembléia Nacional, Blanca Ekhout.

Grazziotin estava disposta a fazer o que todo comunista sabe muito bem, e o seu partido se esmera mais que qualquer outro: desqualificar provas, quando estas não lhes favorecem ou denunciam, e enaltecer os crimes de ditadores e terroristas, como é o caso de Maduro na Venezuela. Esta gente SABE que defende o indefensável, pois María Corina apresentou para essa Comissão o vídeo que havia preparado para exibir na reunião da OEA, que finalmente acabou não tendo permissão de participar.

As provas apresentadas nesse vídeo são contundentes e de conhecimento do mundo inteiro, não tendo como negar que parte do governo a violência e os crimes de morte que hoje já alcançam a macabra cifra de 40 assassinados. Diante disso, a senadora comunista que idolatra o pedófilo e genocida comunista Mao Zedong, disse que o vídeo era “uma montagem” e que “ocorreram mortes dos dois lados”. Esta aleijada moral teve a ousadia de dizer a María Corina, que está vivendo na pele este horror, o seguinte: “Esse vídeo é uma montagem. Considero a sua exibição um desrespeito ao Senado do Brasil Não queria nos enganar com aquilo”. Bem, foi com essas palavras que esta desqualificada se dirigiu a María Corina Machado, uma mulher valente e patriota que luta, dando a cara e se expondo desarmada, para que seu país não seja subjugado ao comunismo mais abjeto e criminoso dos irmãos Castro.

Em resposta, disse María Corina: Hoje em dia, o que está em jogo é a democracia. Alguns dizem que na Venezuela há uma guerra civil, mas o que existe é uma guerra contra os civis, promovida pelo Estado. E muitos dos que foram tão ativos nos casos do Paraguai e de Honduras hoje dão as costas à Venezuela”.

O senador Suplicy, completamente senil e que há anos deveria estar num asilo de dementes, criticou a oposição venezuelana por que querer a derrocada de Maduro, sacando o velho chavão de que este usurpador foi “eleito democraticamente”. Com ele fez coro Randolfe Rodrigues do PSOL, dizendo ter “aversão” à palavra “fora” quando se refere a um presidente eleito. E finalmente, Roberto Requião do PMDB, mostrou preocupação apenas com o desabastecimento, e criticou superficialmente a PDVSA por vender petróleo aos países da ALBA por preços muito baixos.

Nas galerias histéricos papagaios de bordel do MST e partidos comunistas, que certamente foram pagos para mostrar sua cólera e horror à verdadeira democracia, gritavam “María Corina golpista!”, mas esquecem-se, os asnos raivosos, que seu ídolo Hugo Chávez foi o primeiro a dar golpe no país, primeiro em 1992 com um saldo de mais de 100 pessoas assassinadas, dentre elas crianças que nada tinham a ver com sua sede de poder, e depois o próprio Maduro, desde que Chávez fez sua última viagem a Cuba e ele apoderou-se do Governo ferindo o que reza a Constituição Nacional. Repetem o que lhes pagam para dizer, nada além disso.

Apesar da vergonha que os brasileiros de bem e amantes da liberdade, da lei e da ordem sentimos, com o posicionamento canalha do governo brasileiro e seus aliados desde que começaram esses episódios, essa visita serviu para deixar claro à María Corina que nós também caminhamos para uma ditadura como a que ela vive hoje em seu país e que aqui ela e os venezuelanos que lutam pela sua liberdade JAMAIS encontrarão respaldo. A cobertura foi pífia e creio mesmo que censurada, pois não se encontrou em lugar nenhum a gravação desta audiência, a não ser parte do discurso dela que reproduzo abaixo.

A clareza, firmeza e tranqüilidade com que María Corina expõe os fatos e explica inclusive a ilegalidade de sua deposição do cargo, aborrecem os espíritos trevosos, como esses senadores comunistas e essa claque paga que a afrontaram com sua visão turva, sua moral ausente, e seu ódio a tudo o que não seja maligno como seus ídolos. Que Deus abençoe e proteja esta mulher corajosa, cuja única arma que possui é a palavra e a certeza de que não pode claudicar na defesa da liberdade e democracia em seu país. Viva a Venezuela livre do comunismo castro-chavista! Fiquem com Deus e até a próxima.


  

Comentários: G. Salgueiro

sexta-feira, 21 de março de 2014

María Corina Machado na OEA

Momento da entrevista de María Corina Machado concedida à imprensa que NÃO teve direito de participar da sessão da OEA. Créditos: Ione Molinari CNÑ

Hoje os membros do Conselho Permanente da OEA se reuniram na Sessão Ordinária para tratar de alguns assuntos e se imaginava que o tema principal seria a grave situação da Venezuela. Pensando nisso, o representante do Panamá, Arturo Vallarino, ofereceu à María Corina Machado um assento em tal reunião, para que ela pudesse expor os fatos gravíssimos que estão sendo ocultados do mundo. Assisti todo o preâmbulo através da CNN en Espanhol, inclusive gravei. Entretanto, como das vezes anteriores gastou-se muito tempo para decidir se a sessão seria “privada” (a portas fechadas) ou “pública”, onde teriam acesso a imprensa e pessoas convidadas.

O representante da Nicarágua pediu que fosse “privada” e depois de muitas discussões tolas chegou-se à votação, não sem antes a representante da Venezuela alfinetar o Panamá. O resultado foi 22 contra 11, pela sessão “privada”, com abstenção de Barbados. O Brasil votou com o coleguinha da Nicarágua, assim como os outros coleguinhas do Foro de São Paulo, mas o representante, que desconheço a identidade nem revelaram o nome, pediu para “justificar” seu voto no final. Os países que pediram a sessão aberta, foram: Chile, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Canadá. 

No meu programa “Observatório Latino” da “Radio Vox” de hoje, reproduzo envergonhada a desrespeitosa desculpa que o brasileiro deu para desejar que o mundo não conhecesse o que a valente María Corina tinha a apresentar. Era necessário abafar os crimes que Maduro está cometendo na Venezuela há mais de um mês, com um saldo de 32 mortos e 1.736 detenções arbitrárias e fraudulentas, além de esconder, como covardes, a conivência com o crime e a barbárie desses países que se dizem democráticos. María Corina não pôde falar nem apresentar o vídeo que preparou especialmente para esse fim, mas concedeu uma entrevista coletiva na sala de imprensa do organismo, que reproduzo em três partes. Com a serenidade, objetividade e elegância de sempre, ela disse dentre outras coisas: 

“Se equivoca o regime cubano se acredita que com esta repressão vai nos fazer calar, claudicar”. “Não sei qual vai ser meu destino quando voltar à Venezuela, mas sei sim qual vai ser a minha tarefa”. “Não estamos pedindo um favor à OEA, estamos pedindo que cumpram com o seu dever: 1. Aplicação da Carta da OEA. 2. Resolução de condenação da OEA à repressão. 3. Envio de uma missão da OEA à Venezuela integrada por democratas de trajetória.

“Ao tratar de impedir que se ouça a voz do povo venezuelano se produz uma confissão do governo sobre sua responsabilidade e seu medo. Têm medo de que se conheça a magnitude da repressão que há nas ruas da Venezuela. Hoje o mundo reconhece o regime de Maduro como o que é: uma DITADURA! Na Venezuela há uma ditadura. Não me deixaram falar mas vou acabar falando hoje, amanhã ou quando possa no Conselho Permanente (CP) para denunciar a violência. Jamais esqueceremos o que foi este gesto valente, firme e solidário do Panamá com o povo da Venezuela”. 

O ex-embaixador do Panamá na OEA, Guillermo Cochez, publicou em sua conta do Twitter: “A Carta Democrática da OEA está se convertendo no papel higiênico que tanto faz falta na Venezuela”, e o embaixador Vallarino arrematou: “Vamos pedir que fique constante na ata de @MariaCorinaYA no último ponto da sessão da CP hoje @CNNDirectoUSA @CNNEE.

Foram com ela a mãe de Geraldine Moreno, a estudante que foi assassinada com vários disparos de “perdigones” no rosto, senhora Rosa Orozco, o dirigente estudantil da Universidade Católica Andrés Bello (UCAB), Carlos Vargas, e o dirigente sindical petroleiro Iván Freites. Nenhuma dessas pessoas pôde falar na sala de imprensa, pois a vigilância da OEA disse que eles “não obtiveram autorização” para isso. No final desta edição vocês podem ver o tratamento que foi dado a dona Rosa e Carlos, como se fossem marginais. Tudo combinado para que o mundo não saiba o que está ocorrendo na Venezuela.

Bem, fiquem com os vídeos da entrevista de María Corina Machado, do estudante Carlos e dona Rosa, e tirem suas conclusões. Fiquem com Deus e até a próxima!


 

Comentários e traduções: G. Salgueiro

segunda-feira, 10 de março de 2014

Parabéns Senador Uribe!

O Notalatina faz uma edição extraordinária para divulgar o discurso do agora Senador Álvaro Uribe Vélez, após conhecer o resultado das eleições.

 
 
Não tenho muito a dizer ainda sobre o resultado das eleições legislativas na Colômbia, mas não posso deixar passar esse momento magnífico e registrar minha imensa alegria com a vitória do Centro Democrático, partido ao qual pertence Uribe. Numa próxima edição trago informações completas destas eleições importantíssimas para o parlamento colombiano, que vai oxigenar aquelas casas legislativas, hoje repleta de “ex” terroristas de vários bandos que há anos infelicitam a Colômbia.

Parabéns, Senador Álvaro Uribe! Que Deus o abençoe, proteja e lhe fortaleça a coragem de lutar pela liberdade e democracia na Colômbia!

Fiquem com Deus e até a próxima!

Comentários: G. Salgueiro

quinta-feira, 6 de março de 2014

Histérico, Maduro rompe com o Panamá

Nicolás Maduro: uma simbiose entre Hitler, Stalin, Castro's e Hugo Chávez

Ontem comemorou-se (ou “venerou-se”) 1 ano da anunciada morte de Hugo Chávez na Venezuela e o presidente usurpador, Nicolás Maduro, resolveu fazer um mega-evento. Convidou presidentes dos países aliados à ditadura castro-chavista mas só compareceram o ditador Raúl Castro, de Cuba, o índio cocalero Evo Morales, da Bolívia e o presidente do Suriname, Desiré Delano Bouterse. Sob as suspeitas de que o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, havia falecido, há dois dias saiu uma publicação dando conta de que ele tinha ido ao aeroporto receber o novo cardeal de Manágua designado pelo Vaticano, e lá teria brincado com o prelado dizendo que este o havia “ressuscitado” e que estava apressado pois ia a Caracas para os festejos em honra de Chávez. Como ele não apareceu nem foi mencionado no referido evento, começo a pensar que a notícia foi plantada pelo próprio governo para dissipar as especulações. Esta é, portanto, uma informação a se verificar posteriormente.

Num discurso histérico no corredor militar Los Próceres, no oeste de Caracas e onde está a tumba de Chávez, Maduro afirmou blasfemamente que “Chávez é o Cristo Redentor dos povos do sul”. Diante dos presentes e aos berros, declarou o rompimento das relações políticas, diplomáticas e comerciais com o Panamá, por este haver solicitado uma reunião de urgência com Conselho Permanente da OEA para tratar da situação caótica e assassinatos que estão ocorrendo na Venezuela desde o dia 12 de fevereiro. Cabe lembrar que os países pertencentes aos braços do Foro de São Paulo (ALBA, UNASUL, MERCOSUL e CELAC) não vêem o Panamá com bons olhos por não ter um presidente comunista, além de no começo do ano passado o embaixador do Panamá ante a OEA, Guillermo Cochez, ter sido destituído de seu cargo por ter denunciado neste mesmo organismo a ilegalidade das eleições usurpadas por Maduro. Posteriormente, no encontro da CELAC em janeiro deste ano, o Panamá se posicionou contra uma proposta feita por Cuba, de que houvesse uma resolução reconhecendo Chávez como um prócer da integração regional.

Maduro vociferou que Ricardo Martinelli, presidente do Panamá, era um “lacaio rasteiro” e o acusou de conspirar para que a OEA e outros organismos intervenham na Venezuela. Martinelli ficou surpreso com a ofensa e disse que o Panamá “só deseja que esse país irmão encontre a paz e fortaleça sua democracia”, mas evitou polemizar, afinal, estava diante de um sujeito rude, histérico e completamente controlado pelos Castro.

Ao final do discurso em que Maduro espumava e esbravejava, completamente descontrolado e sem a compostura que se espera de um governante de um país, disse: 

“Depois que não se queixem e não venham posar de vítimas porque por vias diplomáticas fizemos saber a opinião soberana do Governo revolucionário da Venezuela”, afirmando que a política internacional da Venezuela é de “união latino-americanista” e “anti-imperialista” e que “nenhum império controle a América Latina e o Caribe”. E concluiu: “Nosso caminho é o sul, nosso caminho é a CELAC, a UNASUL, a ALBA, a independência, a soberania, a paz. Esse é o nosso caminho. Fora a OEA daqui, agora e para sempre!”. Vejam abaixo o vídeo onde Maduro entra em surto em seu discurso aqui, uma vez que o Blogger se recusa a publicar certos vídeos incômodos. Tentei dezenas de vezes e, como no caso sobre a denúncia de que a juíza que sentenciou Leopoldo López agiu sob coação, esse também “não pode” ser publicado.





Com relação às declarações de José Miguel Insulza, secretário-geral da OEA, de que seria útil que uma delegação mediadora visitasse a Venezuela, Maduro disparou: “Fique quieto, senhor Insulza! Não se meta com quem não o chamou! A Venezuela não solicitou um debate, estaríamos loucos (se solicitássemos), pois este é um organismo moribundo!”. A reunião solicitada pelo Panamá ocorre hoje e o envio de uma delegação é um dos pontos a ser discutidos. A esse respeito, Maduro disparou: “Se conseguirem determinar, a comissão teria que entrar clandestinamente porque na Venezuela não entra nenhuma delegação sem nossa autorização, nem agora nem nunca mais, para nenhum tipo de política intervencionista!”. Quer dizer, está tomando as mesmas medidas que os Castro tomaram em Cuba há décadas, para que não se conheça a miséria institucionalizada, a violência, os crimes e sobretudo a violação sistemática aos direitos fundamentais da pessoa humana.

No programa Panorama Mundial da CNN em Espanhol ontem à noite, a jornalista Patricia Janiot, que foi recentemente vítima da brutalidade policial na Venezuela, entrevistou Arturo Vallarino, embaixador do Panamá ante a OEA, onde ele explicou que seu país nunca proferiu nenhum insulto contra Venezuela ou os funcionários desse país, e que ao solicitar a reunião só estava exercendo um direito como Estado-membro dessa entidade. Ele disse ainda que o Panamá só tem preocupação com a crise na Venezuela e que se através de uma reunião entre chanceleres não se consegue avançar, “estamos abertos para controlar outros mecanismos para que cesse a violência na Venezuela”. Assistam a entrevista abaixo:

 


Em entrevista a Juan Carlos López, nesse mesmo programa, Insulza afirmou entre outras coisas que “nesta crise demonstrou-se que a sociedade venezuelana está dividida em dois lados irreconciliáveis, por isso a OEA chamou ao diálogo”. Como era de se esperar, ele foi vaselinado, escorregadio e “muito diplomático” não só nas declarações como na atitude indolente até agora, quando ele poderia ter intervindo desde o começo invocando a Carta Democrática Interamericana, da qual a Venezuela é signatária. Vejam o que ele disse na entrevista:


  


Bem, mas antes de terminar esta edição, quero fazer uma denúncia que recebi ontem já tarde da noite. Não sei se por conta do chamado veemente que o general Ángel Vivas fez aos militares da ativa dias atrás, mas o fato é que dentro dos quartéis parte da tropa e até militares de alta patente estão se rebelando contra as ordens dos cubanos de reprimir as manifestações. A informação diz que no CORE 2, em Valencia, Carabobo, um general desesperado usa a DIM (Divisão de Inteligência Militar) para tentar controlar a sublevação interna. Já está confirmada a detenção de três coronéis: Coronel Richard Solorzano Barreto G1, coronel Felipe Tovar Bordones G3 e o coronel Elio Malpica G5, e o próprio general Herrera Russo estão fora de si e com muito medo. Estão ocultando toda esta situação e a tropa e oficiais subalternos são os que estão difundindo pela rede, pedindo que se divulgue.

Todas estas informações e outras mais de relevo, serão detalhadas por mim amanhã, no meu programa Observatorio Latino na Radio Vox, às 22:00 h. Fiquem com Deus e até a próxima!

Comentários e traduções: G. Salgueiro

domingo, 2 de março de 2014

Anonymous Venezuela: verdade aterradora ou desinformação cubana?

Recebi há pouco um vídeo de “Anonymous Venezuela” onde, ao que tudo indica, os hackers dessa organização invadiram o site do PSUV e entraram na conta de Diosdado Cabello, pois é assim que o vídeo começa. Digo “ao que tudo indica” porque não confio 100% nesse grupo, pelo menos nos do Brasil, que já demonstrou muita “informação” plantada e que depois mostrou-se ser falsa. Entretanto, considerando o teor do que é dito, que está em absoluta consonância com a praxis cubana e chavista, resolvi transcrever todas as mensagens apresentadas no vídeo e publico-as aqui já traduzidas.

O original pode ser visto através do próprio vídeo que é apenas um “passeio” pela conta de Cabello, onde as mensagens enviadas a ele vão sendo apresentadas, uma a uma. As pessoas que se dirigem a ele falam como se ao verdadeiro chefe e não assinam, exceto uma mulher chamada “Delcy Rodríguez”.

É muito preocupante o que dizem e propõem nas mensagens, pois há coisas tais como: a militância dos coletivos está insatisfeita com o dinheiro que está recebendo pelo “serviço”, o que prova que não há espontaneidade nas manifestações governamentais e que o governo “paga” a matadores profissionais para destruir a resistência. Impedir que jornalistas contrários a eles apareçam na mídia e tentar comprá-los, torturar ou “inutilizar” Leopoldo López, infiltrar mais “avispas” e tirar os chefes dos coletivos de cena, contatos das FANB (Força Armada Nacional Bolivariana) com as FARC e participação destas nas manifestações de rua, e numa mensagem encriptada, ao que tudo indica entre dois cubanos conhecidos que só indico no texto, propõem assassinar Maduro.

Segundo alguém que parece pertencer ao “Anonymous Venezuela”, este vídeo é 100% confiável porque é difícil configurar um servidor zimbra, dá trabalho; quase ninguém conhece a interface gráfica (desenho) que esse servidor de correios do PSUV tinha, exceto uns poucos do grupo; ninguém conhece os e-mails que o servidor havia criado, entre eles o de Nicolás Maduro, Diosdado Cabello e outros; as coisas que os e-mails dizem são prova do que está acontecendo atualmente no país, etc. As mensagens são quase todas mal escritas, não respeitando pontuação, acentuação ou letras maiúsculas mas traduzo corretamente, procurando manter o mais exato possível o que foi dito, inclusive com os palavrões. As notas nos parênteses são minhas, para facilitar a compreensão.

Então, sem mais delongas, vamos à transcrição traduzida, que vocês podem conferir no original em espanhol no vídeo que segue abaixo.




“Resumo todo o contato.
Não nos interessa ter um coletivo inútil, a FANB ainda se encontra inutilizada. Lembra o propósito desde o começo, FARC e FANB comem juntos e defendem a revolução juntos, não lhes permitiremos mobilizações falsas. Já contactei as FARC, infiltraremos alguns locais, (pois) nos interessa desprestigiar esses sarnentos (a resistência).
A Leopoldo torturá-lo ou inutilizá-lo é o melhor. Seria bom um vídeo fazendo um chamado à paz, o aborrecimento com Raúl (Castro) se nos torna difícil; é por isso que devemos fazer uma mudança nos planos: ou mudamos a estratégia ou nos fodem, camarada. O fornecimento a Cuba não podemos eliminá-lo, tu sabes porquê. Solucionemos já, não podemos deixar continuar crescendo este peido”.

“Camarada
Te informo que estamos tendo inconvenientes com os coletivos, há um grupo forte que exige uma melhora econômica porque a coisa está irritando. Atualmente estão recebendo 2.000 por jornada. Exigem um aumento para continuar. Já falei com o coletivo uma melhora adicional de 1.000 mas não posso acessar sem sua respectiva ordem, camarada.
Por outro lado, lhe informo que já me comuniquei com alguns camaradas de peso, e eles farão a mobilização se lhes outorgam um contrato por 25 milhões das verdes (dólares).
Considero tirar os coletivos locais e trazer coletivos estrangeiros (piqueteros argentinos? Black Block brasileiros?). Os locais se cansaram e provavelmente se coloquem contra nós. O senhor diz, camarada.
PS: Brevidade, camarada”.

“Porra, camarada, temos que solucionar o negócio com a galinha desplumada, (pois) está chamando as pessoas para a rua, caralho! Temos que tirá-lo do jogo já! Ou o matamos ou o metemos preso mas esse tipo não pode continuar lá. (Referem-se ao vidente Reinaldo dos Santos, que não para de dizer que a resistência não pode desistir da Guarimba?)
Camarada, solução, solução, amanhã é tarde”.

"Meu camarada e amigo, lhe informo que em Zulia temos tudo sob controle, não se preocupe, aqui temos bom apoio. Os esquálidos (como pejorativamente Chávez apelidou a oposição) tentam nos dobrar mas a obrigação do trabalho aqui é necessária. Enviarei bandos armados para realizar saques locais. O objetivo é que as pessoas se vejam na necessidade de sair para comprar comida e não tenham tempo de protestar.
Qualquer novidade lhe informo.
Um abraço, compatriota”.

“Compatriota, entendo sua angústia pela informação que se está difundindo por distintos meios de comunicação. Estamos tentando comprar alguns jornalistas para controlar a ameaça yankee, e o que não aceite, simplesmente será eliminado das emissoras a cabo. São as ordens que me indicou, camarada.
Por outro lado, as cifras são devastadoras, estamos fazendo o possível para controlar todo este lixo midiático, mas as gravações e fotos de aficcionados nos estão atirando o trabalho pelas bordas. Têm que exigir aos comandos que tirem as câmeras sob qualquer condição, do contrário estamos fodidos.
Também há setores exigindo que se informe o controle de fornecimento alimentar. Temos evadido qualquer quantidade de perguntas, do resto tudo bem, jornalista que se revele vai para fora.
Lhe informo que também necessitamos de um controle mas exaustivo no uso do serviço de internet. O filtro geral está sendo interceptado por alguns usuários e portanto desviam tal filtro. Necessitamos mais pessoal nas instalações de inteligência. Por favor, necessitamos apoio aqui, camarada.
Seguimos suas ordens, camarada.
Delcy”

"Chefe, a inteligência foi realizada. Há muitas novidades. Interceptamos comunicações entre ra.cas (Raúl Castro?) e ram.va (Ramiro Valdés?). Aqui em ha.ban@ há um plano distinto desinformando a nação. O objetivo é uma estocada de traição.
As avispas infiltradas nos grupos começaram uma deserção para se unir com um grupo de cub-an.os. Não podemos das muita informação de todo o movimento. Você conhece a filtração. Juntarei a conversação encriptada, já sabes com quem tratar esta informação. 
É urgente a eliminação dos coletivos, já não são confiáveis, podemos continuar controlando alguns, muitos deles são ignorantes, porém devemos eliminar os líderes”.

(Segue a mensagem encriptada entre 1 - ra.cas, e 2 - ram.va, que posteriormente foi apresentada desencriptada).

“Estamos esperando suas ordens, camarada, a reunião é urgente, os coletivos já estão armados mas necessitamos que se limitem os meios de comunicação no estado para poder atacar, espero seu telefonema”.

“Envio-lhe um cordial e grande abraço, meu camarada e compatriota. A seguinte mensagem é para lhe informar que não pudemos adiantar os pedidos solicitados. O recomendável é limitar de algum modo a compra de produtos, já que a demanda de solicitações ativas no Brasil, Argentina, Nicarágua entre outros, é muito alta. Para realizar um fornecimento imediato pedem uma muito alta quantidade de dinheiro, pelo que vejo conveniente uma melhora no convênio a favor deles, ou esperamos até que nos enviem os produtos (Que produtos são esses, armas?). As conversações já foram realizadas mas não podem adiantar nenhum procedimento.
(Isso) É tudo, camarada, espero sua informação”.

Desencriptação - 1. ra.cas (Raúl Castro) - 2. ram.va (Ramiro Valdés)

1. Necessitamos uma mobilização forte.

2. Mobilizaremos as avispas e o coletivo contra os principais objetivos de preocupação.

1. A idéia é que ni-co.las não saiba o que sucede, já não é confiável, o homem perdeu o controle.

1. Necessito que me mantenhas informado de todos os movimentos, contactarei um amigo e tentarei convencê-lo de que faça uma mobilização, assassine ma.dur.o e se implante Cabello.

1. Organiza os coletivos e tira os mais duros, oferece-lhes um bom dinheiro que solucionamos isto. Mantém-me informado.

2. Sim, senhor, mas lembre que ao tirar este do jogo acalmamos a situação, mas as pessoas não vão querer Cabello lá.

1. Este é difícil de controlar; lembra porquê não o designamos à missão.

1. Esse homem gosta de dinheiro, encarrega-te disso. O compramos depois metemos um militante cubano, mas temos que infiltrá-los. Me mantenha informado. Cambio e fora (desligo).

Bem, as transcrições estão aí. Verdade aterradora ou desinformação cubana plantada de propósito? Que os Castro são frios o bastante para mandar matar mesmo o melhor amigo se este começar a atrapalhar seus planos, não é novidade, pois o General Arnaldo Ochoa é o caso mais patente disso. Entretanto, eles também são mestres em desinformação, e contra-espionagem, portanto, a pergunta continua no ar. Leiam e julguem por si mesmos. Fiquem com Deus e até a próxima!

Comentários e traduções: G. Salgueiro

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Juíza é pressionada para condenar Leopoldo López! - Parte II




Por razões que desconheço completamente, o Blogger está se recusando a publicar o vídeo sobre a denúncia feita por uma amiga de infância da juíza que condenou Leopoldo López, de que a mesma ditou a sentença sob pressão. Faço essa segunda edição porque este vídeo é IMPORTANTÍSSIMO mas só se torna mais compreensível se for vista a primeira parte da edição de ontem do Notalatina.

Depois da enésima tentativa fracassada desde ontem e agora novamente (aparece na página de edição do blog, mas quando publico, ele some), entendi que a única maneira de divulgar este vídeo é indicando o link: https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=c_FpgHV6Qcc 

Peço desculpas por essa falha involuntária. 

Comentário: G. Salgueiro

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Juíza é pressionada para condenar Leopoldo López!

Essa edição de hoje o Notalatina traz, em primeiro lugar, um vídeo divulgado agora há pouco por NTN24, denunciando algo que já imaginávamos pois é rotina na Venezuela desde os tempos de Chávez. A juíza Yaclenis Tovar Guillén, que julgou e mandou encarcerar Leopoldo López, afirma a Gabriela Amata através de conversas pelo watsap, que sofreu pressões para condená-lo sob ameaça de perder o emprego. Gabriela é venezuelana e amiga de infância da juíza, mas vive nos Estados Unidos e resolveu fazer a denúncia porque acredita que o que se discute hoje acerca do país estão acima de questões pessoais. Além disso, ficou muito chocada com o comportamento ilegal da amiga, pois diz que é uma juíza da República e deveria fazer cumprir a lei.

Recordo que em 2012 apresentei duas denúncias, em 20 de abril e em 10 maio, sobre dois ex-juízes venezuelanos que fugiram para a Costa Rica e lá resolveram falar em juízo que eles próprios cometeram crimes ao sentenciar pessoas inocentes, como os delegados Vivas, Forero e Simonovis, a juíza María Lourdes Afiuni e Alejandro Peña Esclusa, imputando-lhes crimes que eles jamais cometeram. Eles apresentam as provas de seus delitos afirmando que em todos esses julgamentos e condenações, era Chávez quem decretava quem e por quanto tempo deveria ser condenado. As duas edições podem ser vistas aqui e aqui.

Vejam a reportagem de NTN24





Mas a edição de hoje apresenta outros vídeos e outros comentários, que certamente a imprensa não vai comentar porque são fatos que, ou ela desconhece, ou não está interessada em dar a conhecer. Ontem eu assisti ao vivo pela CNN em Espanhol a magnífica entrevista que Fernando del Rincón fez com o general Ángel Vivas em sua residência em Caracas, depois de tê-la visto pela internet pela manhã. Como os assuntos abordados ontem não davam margem para essa publicação que eu desejava dar destaque, publico-as agora.

Fernando não entrevistou apenas o general Vivas. Ele foi ouvir “o outro lado” e entrevistou o líder dos Tupamaros, Alberto “Chino” Carías, ou simplesmente “Comandante Carías”, cujos vídeos seguem após os da entrevista com o general Vivas e que merecem comentários à parte. O general mostrou-se firme em suas convicções e juramento feito ainda jovem, assim como mantém muito claro o seu dever à legítima defesa de sua casa e sua família. Disse, com preocupação, que “devemos resgatar a república democrática livre dos poderes estrangeiros que procuram dirigir o destino dos venezuelanos”. Assistam aos vídeos:


 aos vídeos:  


Ele afirma que não vai se entregar a uma ditadura e que, ademais, o que ele fez foi oferecer aos resistentes conselhos sobre auto-defesa, orientações de como os civis desarmados possam se defender; é sua obrigação como militar. Agora, não basta apenas imputar ao general crimes que ele não cometeu e mandar caçá-lo como a um marginal, Diosdado Cabello fez um denúncia em seu programa “Con el mazo dando”, onde apresentou a foto de um “arsenal” que, segundo ele, pertencia ao general Vivas e que, portanto, tratava-se de um homem perigosíssimo! 

Entretanto, Fernando del Rincón assistiu ao programa e deu-se ao trabalho de pesquisar, pois quando esteve com o general em sua casa viu todas as armas que ele possuía, assim como os registros de cada uma delas. Assistam o desmascaramento feito em um canal de televisão internacional e cuja audiência é altíssima no vídeo abaixo:


 


Na entrevista com “Chino” Carías, o chefe dos Tupamaros nega todas as acusações feitas por Fernando, de que esses bandos armados compartilham com a Guarda Nacional o acosso e assassinatos cometidos contra os estudantes, mas suas palavras tornam-se patéticas porque enquanto ele falava, a CNÑ apresentava cenas já conhecidas do mundo todo. Nessa entrevista “Chino” afirma que a desestabilização é produto de “para-militares colombianos, pagos por Uribe, o grande narco-traficante colombiano, com o governador Capriles Radonski, María Corina Machado e com setores do braço armado da oposição que se chama “Bandera Roja”. 

O curioso a respeito desse bando delinqüencial é que foi aí que Carías iniciou sua vida de terrorista aos 12 anos, conforme ele próprio afirma a Antonio Salas no livro “El Palestino”. Vejamos o que ele disse na página 259, a alguém em quem ele confiava e, portanto, não mentiria:

“Aos doze anos, um primo meu se incorporou ao Bandera Roja, nesse momento um partido em armas, que enfrenta as políticas de fome dos governos de turno. E esse idiota me incorporou justo quando mataram Tito González Heredía, um guerrilheiro legendário venezuelano que fundou Bandera Rojas...”. Assistiam a primeira parte dessa entrevista:


   


Na segunda parte Carías continua mentindo e dizendo-se mais pacífico do que Madre Teresa de Calcutá, que não são violentos nem andam armados. “Condenamos a violência, venha de onde vier”, disse ele, acrescentando que os tupamaros não têm relação alguma com o Governo, apenas defendem a Constituição e o legado de Chavez. Ele é procurado em vários países por suas relações com vários grupos terroristas, como ETA basco, IRA, Hezbolla, etc., além de ser amigo pessoal e ter facilitado para Antonio Salas o encontro com Carlos “o Chacal”. Assistam quanto cinismo:


 


E para encerrar esta edição, apresento um vídeo gravado com “Chino” Carías em 2009, por um canal de televisão do Peru, onde ele esteve visitando os membros do bando terrorista “Movimento Revolucionário Túpac Amaru (MRTA), do qual ele é presidente do capítulo na Venezuela. Aí vocês podem vê-lo como realmente é, o que deseja e como age. Sem disfarces. Somado aos “Avispas Negras” enviados pelos Castro, fica claro e evidente que Maduro não renuncia nem deixa o poder de forma legal. Beira à patetice ou ao desconhecimento absoluto sobre o regime castro-comunista, o que andam afirmando pela rede que os Castro “já estão abandonando Maduro à própria sorte”. 





Bem, mais informações deixo para o meu programa Observatorio Latino na Radio Vox.Fiquem com Deus e até a próxima!

Traduções e comentários: G. Salgueiro